Vinhos finos vs. vinhos de mesa: taí um assunto que sempre gera muita dúvida, principalmente porque o significado de vinho de mesa no Brasil é diferente de outros países, e isso acaba confundindo bastante o consumidor. Mas é um assunto mais simples do que você imagina. Bora lá!

Qual a diferença entre vinhos finos e vinhos de mesa?

A principal diferença entre estes dois tipos de vinho está nas uvas utilizadas em sua produção, que vêm de plantas da mesma família, mas de espécies diferentes. É mais ou menos como o tigre e o gato: os dois são da família dos felinos, mas são animais completamente diferentes um do outro, com características muito distintas.

Os vinhos finos utilizam uvas da espécie Vitis Vinifera, que tem mais de cinco mil variedades espalhadas pelo mundo. São aquelas mais conhecidas, que você já deve ter ouvido falar bastante, como Cabernet Sauvignon, Merlot, Chardonnay, Carmenere, etc. Elas possuem grãos menores, casca mais grossa e exigem maior cuidado no cultivo, já que não se adaptam a qualquer tipo de solo ou clima.

Mas além da Vitis Vinífera, existem diversos outros tipos de videiras, como é o caso da Vitis Labrusca, que produz algumas das chamadas uvas de mesa ou uvas americanas. Essas uvas têm grãos maiores e casca mais fina, e são aquelas que a gente costuma encontrar no supermercado ou na feira, geralmente utilizadas para a produção de sucos ou mesmo para o consumo in natura. Alguns exemplos famosos são as variedades Niágara, Isabel e Bordô.

As diferenças entre os vinhos finos e os vinhos de mesa está nas uvas utilizadas!

Apesar de serem mais indicadas para sucos ou consumo in natura, as uvas de mesa também podem ser utilizadas para a produção de vinhos. Neste caso, eles são chamados vinhos de mesa. 

A diferença na taça é bem significativa. Sua produção é mais fácil e rápida, e por isso os vinhos de mesa costumam ser custar bem menos do que os vinhos finos. Além disso, eles apresentam cores mais opacas, aromas e sabores mais simples e, geralmente, bastante doçura. Não costumam passar por barris de carvalho e não feitos para envelhecer em garrafa, motivo pelo qual perdem sua qualidade muito mais cedo. Os vinhos finos, por outro lado, dão muito mais trabalho ao produtor em todos os aspectos: plantio, colheita, produção, engarrafamento e armazenamento. São vinhos ricos em aromas e sabores, com diferentes tonalidades de cor e muito mais brilho. Além disso, eles têm uma vida útil muito maior, e são capazes de evoluir com o tempo, tornando-se ainda mais complexos e agradáveis ao paladar.

Uvas finas (ou européias) produzem vinhos finos, enquanto uvas de mesa (ou americanas) produzem vinhos de mesa.

Tá, mas e quando o rótulo diz VINHO FINO DE MESA, é fino ou é de mesa? Pois é, às vezes o pessoal dos rótulos gosta de complicar a nossa vida. Mas é fácil: se disser vinho fino de mesa, é um vinho fino. Isso porque, por lei, apenas os vinhos finos podem usar a palavra FINO no rótulo, mesmo que também diga “de mesa”.

Bom, então agora ficou claro, né?

Vinho fino é aquele feito com uvas viníferas (que vêm da videira Vitis Vinifera), como Cabernet Sauvignon e Chardonnay, e vinho de mesa é aquele feito com uvas de mesa / americanas (que vêm de outras videiras, como a Vitis Labrusca), como Niágara, Isabel e Bordô.

Para fechar o assunto com chave de ouro, assista o vídeo abaixo, que criamos para o IBRAVIN – Instituto Brasileiro do Vinho. Ele explica de uma maneira bem didática e em pouco mais de 2 minutos, tudo o que explicamos acima. Depois é só clicar nos ícones no fim da matéria e compartilhar com aquele seu amigo que também estava em dúvida, seja por email, pelo Facebook ou pelo Whatsapp!


GOSTOU? Para novidades diárias, nos siga também no Instagram e inscreva-se em nosso canal no Youtube!