Icewine é talvez um dos mais interessantes vinhos licorosos que você pode encontrar por aí. O que ele tem de raro, tem de indulgente. Ô negocinho bom! Nesta matéria, vamos falar deste vinho tão difícil de ser elaborado, que só existe por casa de uma mãozinha da natureza e de muita boa vontade dos produtores.

Icewine canadense, elaborado com uva Riesling. | Foto: Divulgação / Inniskillin Winery

O QUE É ICEWINE, AFINAL?

O Icewine é um vinho doce, licoroso, feito com uvas congeladas naturalmente na videira. Para que a mágica possa acontecer, as uvas precisam estar plenamente maduras, sadias e o clima precisa estar frio o suficiente para que elas congelem ainda no pé. Este processo costuma acontecer no inverno, bem depois que a vindima tradicional acontece. Para isso, é preciso manter as uvas a salvo de pragas, pássaros, etc, até que as temperaturas baixem. Muitas vezes, em razão da amplitude térmica diária e para garantir que as uvas cheguem ainda congeladas até a cantina, os produtores precisam colher as uvas de madrugada. No frio. Tipo, muito frio. Um frio de, pelo menos, 8 graus negativos. Ah, e na maioria das vezes, na neve. Estão entendendo a dificuldade?

Colheita noturna de uvas congeladas no sul da Alemanha. | Foto: Reprodução / Patrick Seeger/AFP/Getty Images

O que torna este vinho tão especial é que toda a água que faz parte da composição das uvas congela e, ao serem esmagadas, o mosto obtido é bem denso, e com aromas, açucares e acidez muito concentrados. Claro, isso também significa que vai render muito menos do que a mesma quantidade de uvas renderia em seu estado natural. Apenas para fins comparativos, são necessários, geralmente, de 1 a 2kg de uva para fazer uma garrafa de 750ml de vinho fino. Para a elaboração de uma garrafinha de 375ml de Icewine, são necessários cerca de 3kg de uva. Bota diferença nisso!

Uvas congeladas na videira em Niagara Falls, Canada | Foto: Divulgação / www.niagarawinetrail.org

Então, se juntarmos todos esses fatores, é fácil constatar que o Icewine não tem como ser um vinho barato. Além da dificuldade na colheita e de seu baixo rendimento, ainda é necessário que os planetas se alinhem e o segundo sol chegue, para que a natureza proporcione exatamente as condições ideais para o congelamento da uva. Não é moleza.

Por todos esses fatores, são poucos os lugares que conseguem ter as condições ideais para a elaboração de Icewine, e, mesmo assim, não é todos os anos que elas acontecem.

ONDE SE PRODUZ ICEWINE?   

O Canadá é, sem dúvida, o maior e mais constante produtor de Icewine do planeta, detendo cerca de 75% de toda a produção mundial. O país tem um clima tão propício que, contrariando as estatísticas, a produção por lá acontece todos os anos, segundo o Agriculture and Agri-Food Canada, órgão governamental, responsável pelo setor agrícola do país.

Os vinhedos que ficam a oeste das Cataratas do Niágara, em Ontário, congelam todos os invernos, o que também costuma acontecer em Okanagan Valley, região produtora muito importante, que fica em British Columbia, no interior de Vancouver.

Colheita em vinhedo congelado em Ontário, no Canadá. | Foto: Reprodução
/ www.scmp.com

Atrás do Canadá, vêm a Alemanha, onde diz-se ter surgido a bebida, por volta de 1794. Lá, ela se chama EISWEIN. Estados Unidos, Áustria e Eslovênia também são produtores do estilo, mas em menor escala. No Brasil, a Vinícola Pericó, de São Joaquim – SC, produziu o primeiro icewine do país, lançado em 2010. Em maio deste ano, colheram uvas congeladas pela terceira vez em sua história, ou seja, tem mais icewine brasileiro saindo do forno – ou do gelo! – muito em breve.

Vinhedos congelados da Vinícola Coyote Moon, em Clayton, N.Y., perto da fronteira com o Canadá. | Foto: David Sommerstein

QUAL A UVA UTILIZADA?

As uvas utilizadas na elaboração de Icewine precisam ter pele grossa o suficiente para resistir às possíveis podridões que podem acontecer durante os meses em que esperam maduras na videira, até a temperatura ideal para o seu congelamento chegar. Uma boa acidez, que se mantenha alta mesmo com a sobrematuração da uva, também é essencial.

Uvas congeladas | Foto: Reproduçãp / www.almanaquesos.com

Os produtores da Alemanha, em sua grande maioria, optam por utilizar a Riesling, enquanto no Canadá, além da Riesling, também se utiliza bastante a Vidal, uma uva híbrida, resultado do cruzamento da francesa Ugni Blanc (Trebbiano, na Italia) e da híbrida Rayon d’Or.

Apesar da grande maioria dos Icewines serem brancos, uma pequena quantidade de tintos é produzida, principalmente, em Ontario, no Canadá, utilizando a uva Cabernet Franc. Ainda em menor escala, também podem ser encontrados no mercado icewines elaborados com as uvas Merlot, Cabernet Sauvignon, Gewürztraminer, Riesling, Grüner Veltliner e Chenin Blanc.

Icewine elaborado com uvas tintas | Foto: Reprodução / Pillitteri Estates Winery

E QUAL É O PERFIL DO VINHO?

Os icewines são vinhos super doces, e apresentam aromas e sabores de frutas muito concentrados. Um dos pontos chave para o seu sucesso é a acidez elevada. Um vinho doce, por mais gostoso que seja, se torna enjoativo sem acidez suficiente, mas este não é o caso por aqui. O congelamento dos bagos, além de concentrar açucares e sabores, também concentra os ácidos necessários para equilibrar a doçura acentuada da bebida.

A maioria dos icewine são elaborados para consumo em até 10 anos, mas os produzidos com as uvas Riesling e Grüner Veltliner têm potencial para evoluir muito mais do que isso sem perder a qualidade. Nestes casos, a coloração tende a mudar do dourado para um tom mais escuro, e seus aromas começam a deixar a fruta de lado para assumir um perfil que vai mais para o lado da avelã e do xarope de bordo (o Maple Syrup canadense, que fica uma delícia com panquecas!).

Icewine de uvas tintas e de uvas brancas | Foto: Reprodução / www.canadianvintners.com

PARA PROVAR

Encontramos poucos icewines disponíveis no mercado brasileiro, mas listamos tudo aqui:

  • Icewine Pericó 2009. Vinícola Pericó, São Joaquim – SC. Brasil. R$ 198,00 na Sommelier Vinhos
  • Weissburgunder Eiswein 2008. Vinícola Hiedler, Kamptal, Austria. R$ 265,37 na Decanter
  • Transylvanian Ice Wine. Alois Kracher, Romênia. R$ 370,47 na Mistral.
  • Inniskillin Vidal Pearl Icewine. Inniskillin Wines, Niagara Peninsula. Canadá. R$ 682,10 na TodoVino

GOSTOU? Para novidades diárias, nos siga também no Instagram e inscreva-se em nosso canal no Youtube!